O NATAL ÉS TU!. O Presépio és tu
Data: 24/12/2018

O NATAL ÉS TU!
"O Natal és tu, quando decides nascer de novo em cada dia e deixar Deus entrar na tua alma.
A árvore de Natal és tu, quando resistes vigoroso aos ventos e dificuldades da vida.
Os enfeites de Natal és tu, quando as tuas virtudes são cores que enfeitam a tua vida.
O sino de Natal és tu, quando chamas, congregas e procuras unir.
És também luz de Natal, quando com a tua vida iluminas o caminho dos outros com a bondade, a paciência, a alegria e a generosidade.
Os anjos de Natal és tu, quando cantas ao mundo uma mensagem de paz, justiça e amor.
És também os reis magos, quando dás o melhor que tens sem teres em conta a quem.
Os cânticos de Natal és tu, quando conquistas a harmonia dentro de ti.
Os presentes de Natal és tu, quando és um verdadeiro amigo e irmão.
Os votos do Natal és tu, quando perdoas e restabeleces a paz, mesmo sofrendo.
A consoada és tu, quando sacias com pão e esperança o pobre que te é próximo.
Tu és a noite de Natal, quando, humilde e consciente, recebes no silêncio da noite o Salvador do mundo, sem ruído nem grandes alaridos; tu és sorriso de confiança e ternura na paz interior de um natal constante estabelecendo o reino dentro de ti." Papa Francisco
------- OS PRESÉPIOS. O NOSSO PRESÉPIO-------
Ao longo do tempo do advento e particularmente nas Missas do Parto, na nossa paróquia, reflectimos nas figuras do Presépio e nos valores a elas associados.
Nestes dias, vêem-se e visitam-se muitos presépios. Todos os presépios que fazemos têm como centro Jesus, porque não se pode pôr de lado o Filho de Deus. Este é o anúncio que o Natal comunicar: «Jesus está aqui, no meio de nós!; está nesta Eucaristia que celebramos, está no meio da nossa cidade, das nossas ruas, das nossas aldeias, está na nossa casa, onde vivemos, está no nosso coração que bate. O Menino Jesus, que poderá parecer algo de insignificante entre os grandes sucessos do mundo, é o sinal inconfundível de que, com Ele e nEle, tudo o que é pequeno, débil, pobre, exilado, recusado, ou marginalizado, é o que ocupa o centro.
Todos nós somos, pois, como que personagens do Presépio ideal, em cujo centro está Jesus. Personagens, que estão ali, à volta do Menino, para o honrar, sendo seus companheiros vivos, responsáveis e activos, à semelhança de Maria e de José, que O adoram, O envolvem em panos, O alimentam com amor; à semelhança dos pastores que se apressaram a saudá-lo. Ao meditar sobre o Presépio e sobre a nossa vida, como prolongamento deste nascimento, vemos que não são precisas grandes coisas, nem grandes acontecimentos, para estarmos felizes. Basta-nos partilhar da alegria de Maria e de José, da alegria dos pastores e dos animais, a alegria de toda a criação.
O presépio também sou eu, também és Tu, em qualquer circunstância da tua vida, pois em cada um de nós há sempre um lugar secreto para acolher a vida e o amor!



fechar