PERMANECER NO AMOR E NA ALEGRIA
Data: 28/04/2018

PERMANECER NO AMOR E NA ALEGRIA
1ª História .....
Naquela manhã, convidei os alunos a rezar com os olhos fechados. Pareceu-me que gostaram da experiência. Ao tentar explicar que assim, sem distracções dos olhos, rezávamos com mais atenção, perguntei:
– Quem quer dizer, porque é que fechámos os olhos durante a oração?
Prontamente alguém respondeu: – É que assim Jesus permanece cá dentro e não sai pelos nossos olhos. Eu fiquei a pensar nas palavras de Jesus: Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. Cada distracção é uma espécie de porta por onde Deus se nos escapa. Rezar é assim permanecer em Deus, unidos como ramos à cepa. E Jesus conclui: Se permanecerdes em mim, pedireis o que quiserdes e ser-vos-á concedido.
Mas quem tem dificuldade em permanecer em quem? Deus em nós ou nós em Deus? É fácil ter um acto heróico, ter um momento de compreensão, aceitar um sacrifício, engolir uma palavra amarga. O difícil é permanecer nestas atitudes, manter-se assim durante muito tempo. Permanecer é ser fiel. O nosso dia a dia, as preocupações quotidianas e a nossa rotina são muitas vezes distracções que fazem Deus não permanecer em nós porque nós
A vida cristã ou se enraíza numa comunhão profunda de vida com Jesus ou morre. O ramo, separado da videira, seca... e corta-se! E, ainda que por muito tempo possua a aparência de estar vivo, logo secará e será lançado ao fogo...Permanecer nEle, portanto! O verbo, aqui sete vezes repetido, chega bem para a gente se dar conta de que o segredo de uma vida fecunda, não está no alto e bom desempenho dos nossos esforços, nem na provada capacidade dos nossos rendimentos de trabalho, mas neste «permanecer», neste «estar dentro», «estar em comunhão», «viver dEle, nEle, por Ele». A vida cristã, rica de bons frutos, brotará sempre de uma profunda união com Jesus. Assim se desiludam quantos presumem das suas próprias capacidades criativas ou julgam poder ser e crescer «por si próprios». É que, de facto, não temos raízes no chão!...

2ª História
Permanecer unidos Jesus é amar em gestos pequeninos e simples e não só com palavras. Meditemos na seguinte história.
Um dia uma menina chegou ao Colégio com dois rebuçados.
- Uhm! Que rebuçados tão bons! São todos para mim.
- Eu também já não tenho dentes para isso mas repara naquela tua colega. Está triste. Se eu tivesse rebuçados dava-lhe um... A miúda hesitou e a muito custo partilhou um doce com a colega. No final do dia o Padre perguntou-lhe: - Então, já comeste o rebuçado?.
Respondeu: - Sim. Era booom... - E o que é que sentes agora?
- Agora não sinto nada. - Diz-me lá. Qual o rebuçado que agora te dá maior satisfação: o que comeste ou o que deste à tua colega?A miúda chegou à conclusão que o rebuçado que partilhara ainda lhe causava satisfação.

O Perfume do amor é duradouro; mais profundo que as sensações imediatas!



fechar